Pesquisar neste blogue

segunda-feira, outubro 22, 2012

Para lembrar


Morreu o sobrevivente mais velho de Auschwitz!

(pode morrer o físico mas que não morra nunca a nossa memória coletiva)

sexta-feira, outubro 19, 2012

Poortugal

Excelente, mesmo excelente esta "brincadeira" do The Economist.

Vejam aqui a notícia de como a nível internacional está a ser veiculada a nossa situação económica e os impactos desta proposta de orçamento para 2013. É sempre bom saber como os de "fora" nos observam, pode ajudar à nossa autocrítica.

segunda-feira, outubro 15, 2012

Poderes

Das primeiras coisas que qualquer aluno de economia, ciências políticas, direito, gestão, ciências sociais, aprende no 1º ano da universidade é a definição dos três tipos de poderes:

  •  Legislativo, executivo e Judiciário 
Uma das coisas que qualquer constituição atual (seja monárquica ou republicana) defende é a separação física e real entre os 3. Mas a realidade diz-nos e demonstra-nos que isso não é exatamente assim:

Uso isto como introdução ao que realmente me levou a escrever este post, que foi a leitura dum artigo de opinião do Expresso (ler aqui) escrito por Henrique Monteiro, onde face à notícia de que a Associação Nacional de Juízes avisou o governo de que iria pedir a inscontitucionalidade do Orçamento de Estado para 2013 (se não fossem feitas alterações de fundo), ele faz uma questão muito pertinente e muito inteligente:
"(...)Mas eu pergunto: até quanto é uma carga fiscal legal? A partir de quanto é ilegal? Vamos judicializar a política económica(...)"

Efetivamente, este é um problema nas sociedades modernas. A tentativa de judicializar os diversos aspetos da política, tipicamente para se manter um conjunto de direitos adquiridos e proteções especiais que o resto da sociedade não usufrui. Temos sempre tendência para conotar a classe política como corrupta, pela sua proximidade com economia de mercado, mas o mesmo olhar crítico deveria também ser feito à classe de juízes, que a meu ver, efetua um conjunto de pressões (longe de olhares públicos e sempre em meios "fechados") muito similares e até, mais eficazes.

Não se tratar de ser contra ou a favor de determinada classe, apenas e mais uma vez, apelo ao olhar crítico que temos de ter.

terça-feira, outubro 09, 2012

Arte Sacra

Sempre gostei de expressão artística, seja ela qual for. Discute-se sobre o seu propósito, gosto, relevância ou até objetivo, mas em última instância, as pessoas resumem-se sempre ao fato de "gosto ou não gosto". Ora, eu julgo que é sempre necessário perceber um pouco da história que rodeia o artista (o seu círculo de ação social, como dizem umas correntes na sociologia) uma vez que nos ajuda a perceber e a enquadrar melhor o que estamos a observar/experienciar. 
Isto, para mim, é algo de fundamental quando me deparo com expressões artíticas, como por exemplo - a Arte Sacra. É um tema muito complexo e repleto de interpretações mas é também uma forma de comunicação ímpar na história da humanidade.
Numa altura em que 90% das populações eram analfabetas, era através de pinturas, esculturas, desenhos, retábulos, igrejas, que se transmitiam ideias, comportamentos ideiais, controlos sociais e pessoais, enfim, que se passava ao povo a forma de se saber comportar perante Deus e os seus representantes.

A igreja tornou-se exímia na arte de transmitir ao povo e fazer-lhe sentir o peso de determinado santo, entidade evangélica, homem ou entidade suprema. Isso era feito com técnicas que hoje em dia são usadas na publicidade, como o uso de sombras, jogos de luz, jogos de cores conjugados com a importância do ser que é suposto ser realçado. Uma das técnicas que sempre me fascinou foi o uso de entidades celestiais (entidades angélicas) onde através do seu uso se transmitia a importância "hierárquica" na santidade. Por exemplo, Jesus só é representado à sua altura (entre outras coisas) com Seranfins, estando todas as outras classes (quando aparecem com ele) representadas sempre a um nível inferior - da próxima vez que forem uma igreja ou museu, verifiquem este aspeto, vão ver que a partir daí perceberão muito melhor o que vos está a ser transmitido.

Para que fiquem informados sobre as classes, deixo-vos um pequeno resumo explicativo para usarem em observações futuras (isto também é válido para esculturas).
 
Ele estão divididos em três categorias e nove subgrupos (ou Ordens):
  • À primeira categoria pertencem os Anjos que estão mais próximos de Deus: os Serafins, os Querubins e os Tronos;
  • À segunda categoria pertencem os príncipes e sacerdotes celestiais: as Dominações, as Potestades e as Virtudes;
  • À terceira categoria pertencem os ministrantes: os Principados, os Arcanjos e os Anjos;
Cada ordem angelical tem uma função específica e um príncipe regente que a governa.
  • Ordem dos Serafins
  • Ordem dos Querubins
  • Ordem dos Tronos
  • Ordem das Dominações
  • Ordem das Potestades
  • Ordem das Virtudes
  • Ordem dos Principados
  • Ordem dos Arcanjos
  • Ordem dos Anjos
Ordem dos Serafins
A Ordem dos Serafins é a que se encontra mais próxima de Deus. São seres de uma bondade imensa e encontram-se em volta do trono sagrado, entoando cânticos de louvor, uma vez que têm como missão adorar, velar e louvar a Deus e à Santíssima Trindade. A sua luz é tão intensa que nunca tentam entrar em contacto directo com os Humanos, porque estes são seres demasiado frágeis para aguentar tanta energia. Estes anjos possuem o poder de purificar e iluminar toda a Humanidade, pois absorvem e reflectem a Luz Divina. O Príncipe que rege esta Ordem é Metatron, que actua sobre as forças da criação. Representa o poder da abundância e aparece como um ser enorme de luz branca e brilhante. É o maior de todos os Príncipes Regentes dos Céus e senta-se junto do Criador. O seu nome significa, em hebraico, o Rei dos Anjos e é o Arcanjo mais elevado, uma vez que governa todos os seres vivos. A esta ordem pertencem os Anjos Vehuiah, Ielel, Sitael, Elemiah, Mahasiah, Lelahel, Akhayah e Khathel.

Ordem dos Querubins
A Ordem dos Querubins é responsável pela ordem do Mundo. Por este motivo, guardam os registos sagrados zelando para que as ordens de Deus sejam cumpridas. Deus concedeu-lhes, ainda, a Divina Sabedoria. Pensa-se que são estes que guardam os portões do Paraíso. Estes anjos reflectem o poder e a saberia suprema. O Arcanjo que rege esta Ordem é Raziel e o seu nome significa, em hebraico, o Segredo de Deus. É o senhor dos mistérios, da originalidade e das ideias puras. É responsável pelos pensamentos positivos e pela prosperidade. A esta ordem pertencem os Anjos Haziel, Aladiah, Laviah, Hahiah, Iezalel, Mebahel, Hariel e Hakamiah.

Ordem dos Tronos
A Ordem dos Tronos guarda o Trono Celeste e é responsável pela justiça e julgamentos divinos. Os seus Anjos distribuem bênçãos pelo Mundo e proclamam a grandeza, o poder e a glória de Deus. Inspiram os homens, especialmente aqueles que estão relacionados com a arte e com a beleza.
O príncipe que rege a Ordem dos Tronos é Tsaphkiel, protector da criação. Ele está associado à Terra e ajuda os humanos a contemplar e planear o futuro. É apontado como o protector das doze tribos de Israel, que deram origem às religiões Judaica e Cristã e, por isso, o rei David criou salmos em sua homenagem. O seu nome significa o Anjo da noite. A esta ordem pertencem os Anjos Leviah, Leilael, Leuviah, Pahaliah, Nelkael, Ieiaiel, Melahel e Hahuiah.

Ordem das Dominações
À Ordem das Dominações cabe o papel de “supervisionar” o trabalho dos outros Anjos, ou seja, estão encarregues de fazer com que as hostes angelicais cumpram as suas missões. Habitualmente, estes Anjos são personificados com uma espada e um ceptro, pois representam a soberania e o poder de Deus. São eles que possuem o controlo do Universo e fazem a ligação entre o material (Terra) e o espiritual (Céu). Reflectem uma graça elevada e auxiliam os seus protegidos a progredir na espiritualidade. Estes Anjos ajudam as pessoas a vencer os seus medos e incertezas. São também invocados em casos de emergência ou conflitos que necessitam de uma rápida resolução. Tsadkiel é o príncipe que rege esta Ordem Angelical e é o protector da profecia e da inspiração. Está ligado ao ensino, à criatividade e presta auxílio em questões jurídicas. Habitualmente, este príncipe incentiva as pessoas fracas a lutar pelos seus objectivos.A esta ordem pertencem os Anjos Nithhaiah, Haaiah, Ierathel, Seehiah, Reviel, Omael, Lekhabel e Vasariah

Ordem das Potestades
A Ordem das Potestades guarda os caminhos que conduzem à felicidade e ao paraíso. É responsável pela renovação das espécies, pela ordem na Natureza e pelos quatro elementos essenciais (Ar, Água, Terra e Fogo). Os Anjos que pertencem a este coro angelical protegem as almas humanas e afastam as influências negativas. Guiam as almas perdidas e recebem as pessoas na altura da sua morte. Tal como os outros Anjos, ajudam a equilibrar as forças energéticas, especialmente as que se relacionam com a Natureza. A estes Anjos, Deus concedeu o poder de punir ou perdoar aqueles que pecaram e são eles que intercedem quando alguém está prestes a cometer uma falta. Devido à sua intervenção, os Humanos podem resistir ao mal, praticar o bem e a caridade. O Príncipe regente da Ordem das Potestades é Camael, cujo nome significa Auxílio e Força de Deus, sendo responsável pela harmonia dos relacionamentos interpessoais. Este príncipe promove a disciplina, o temor a Deus e transmite aos seus protegidos qualidades como a justiça, o equilíbrio e a rectidão.
A esta ordem pertencem os Anjos Iehuiah, Khavakiah, Meuadel, Aniel, Haamiah, Rehael e Iezel

Ordem das Virtudes
A Ordem das Virtudes dirige a missão do Homem na Terra. É também esta ordem que orienta os movimentos das estrelas e dos planetas Os milagres que evitam certas catástrofes naturais, salvando milhares de vidas, são realizados pelos anjos das Virtudes, pois têm domínio sobre as forças da Natureza. São eles que transmitem a vontade de Deus, facilitando o trabalho dos Anjos das outras categorias.Como o nome indica, esta ordem angelical inspira nos seus protegidos a virtuosidade. É por sua intervenção que existem heróis, mártires e santos. O Anjo que rege esta categoria é Raphael (do hebraico cura) que actua especialmente em processos de cura e no tratamento de doenças. Habitualmente, é representado com um frasco medicinal e com uma seta afiada, como símbolos curativos e regeneradores. Ajuda a curar, não só os males físicos, como também os espirituais, devendo ser invocado em caso de doenças graves. A esta ordem pertencem os Anjos Hahahel, Michael, Vevaliah, Ielahiah, Sealiah, Ariel, Asaliah e Mihael.

Ordem dos Principados
A Ordem dos Principados é responsável por todos os grupos sociais e seus líderes, como as famílias, as associações e clubes, as cidades e os países. Trabalha em parceria com a ordem dos Anjos para que haja organização no Mundo. Os Anjos dos Principados ajudam os seus protegidos a tomar decisões acertadas em momentos decisivos. Interferem em assuntos relacionados com as religiões e guiam os líderes religiosos no caminho da verdade. O Príncipe Haniel governa esta ordem e ajuda a afastar todas as influências negativas. É por sua intervenção que se resolvem os problemas relacionados com o amor. A esta ordem pertencem os Anjos Vehuel, Daniel, Hahasiah, Imamiah, Nanael, Nithael, Mebahiah e Poiel.

Ordem dos Arcanjos
A Ordem dos Arcanjos é responsável pela transmissão das mensagens de Deus. São os Anjos desta categoria que aconselham os humanos, levando-os a agir de acordo com a vontade de Deus. Em momentos de aflição e dúvida, aparecem para guiar os seus protegidos no caminho da virtude e da rectidão. São os escolhidos para desempenhar missões complicadas ou para revelar segredos importantes. O Arcanjo Gabriel é um exemplo disso, apesar de ser o Príncipe regente da categoria dos Anjos, pertence também, ao Coro dos Arcanjos e ficou incumbido de anunciar à Virgem Maria que no seu ventre crescia o filho de Deus Criador. Estes anjos são também chamados de Anjos da Anunciação. De todos os Anjos, estes são os que aparecem mais vezes aos Humanos e encaminham mais facilmente as suas orações a Deus. O Príncipe regente do Coro dos Arcanjos é Miguel, que significa quem é como Deus. O seu nome é um grito de batalha e, sempre que é invocado, declara-se guerra contra o Mal e as influências negativas. Atribui aos seus protegidos coragem e protecção divina. Considerado o Anjo Guerreiro é representado em posição de ataque, com uma espada na mão esquerda, uma balança na mão direita e a pisar a cabeça de um dragão. Esta imagem personifica a Justiça de Deus (balança) e a vitória do Bem sobre o Mal (espada e dragão espezinhado). São Miguel Arcanjo comanda as hostes dos Anjos guerreiros e protege todos os seres vivos. A esta ordem pertencem os Anjos Mumaiah, Leilael, Harahel, Mizrael, Umabel, Iahhel, Annauel e Mehiel.

Ordem dos Anjos
A Ordem dos Anjos é a que se encontra mais próxima dos seres humanos. É responsável pela protecção dos Homens e são os Anjos desta ordem que participam mais directamente nas suas vidas. É por sua intervenção que se evitam acidentes, catástrofes e todos os dias se salvam inúmeras pessoas pelo Mundo fora. Apesar da sua proximidade, não podem interferir no destino de ninguém, porque cada indivíduo tem direito ao seu livre-arbítrio. Auxiliam os seus protegidos a evoluir espiritualmente e, de forma subtil, encaminham-nos para a vontade Divina. O Anjo que rege esta Ordem é Gabriel, que transmite aos seus protegidos a Esperança e a Verdade. É ele que anuncia as Boas Novas. É por sua intervenção que acontecem as mudanças e se transmitem os conhecimentos. A esta ordem pertencem os Anjos Damabiah, Menkel, Eiael, Habuiah, Rohel, Iibamiah, Haiaiel e Mumaiah.

segunda-feira, outubro 08, 2012

Estados da mente

Por a minha cabeça anda! :)



Pesquisa personalizada