Pesquisar neste blogue

quinta-feira, junho 26, 2014

Testamento vital

No meio de Mundiais, problemas no BES, a situação bi-polar do Partido Socialista, a "guerra" contra o Tribunal constitucional, os júros da dívida, os penteados do Ronaldo e a barba do Raúl Meireles, aqui a tasca dá relevância às pequenas coisas e vai daí que reparou nesta pequena notícia de que a partir de Julho de 2014, entra finalmente em vigor no Serviço Nacional de Saúde uma coisa chamada o Testamento Vital.

Estão assim criadas as condições necessárias para implementar o Registo Nacional do Testamento Vital (Rentev), serviço que irá centralizar toda a informação sobre esta matéria. Este serviço será responsável por receber, registar, organizar e manter atualizada a documentação relativa às diretivas antecipadas de vontade e às procurações de cuidados de saúde. Foi também aprovado o documento que irá servir de modelo à declaração que cada cidadão pode para exprimir a sua vontade. Poderá ser utilizado a partir de julho.

Os testamentos podem ser apresentados presencialmente ou enviados por correio registado (neste caso, a assinatura deverá estar reconhecida, o que tem custos) e o serviço é gratuito para os utilizadores. Os dados inscritos são inseridos na Plataforma de Dados de Saúde, à qual os titulares têm acesso permanente através do Portal do Utente. O Rentev está também acessível a todos profissionais de saúde, para consulta. Na prática, de cada vez que um médico consultar o processo de um paciente, este será automaticamente notificado, desde que o seu endereço eletrónico conste do Rentev.
A título de exemplo, significa isto que se por motivos religiosos alguém não puder ser ressuscitado, o Rentev prevalece sobre a vontade médica.


segunda-feira, junho 09, 2014

Cervejecises

O estado atual da nação está convulso (alguma vez não o esteve?) entre dívidas do estado português, divisões no PS, esfregares de mão na coligação de direita, swaps (parece que já ninguém quer saber dos milhares de milhões que os contribuintes têm de pagar a empresas de "direito público"), o  mundial e as 2392348923 notícias sobre ronaldo e camaradas que interessam tanto como levar um enxerto de porrada... enfim.... Vai daí que escrevo sobre um tema muito melhor...Cerveja.

Para quem consulta aqui a tasca, já se apercebeu que passei do entediante comentário social diário ao entediante comentário cervejístico. Por um lado apeteceu-me, por outro acho que o tema é infinitamente mais interessante, para além de que permite anúncios excelentes:



terça-feira, junho 03, 2014

Para experimentar :)

Como fazer cerveja recorrendo a extracto de malte, maltes de especialidade e lúpulo:
Material necessário:
  • Panela 25L ou 30L, conforme a quantidade a produzir
  • Fermentador 30L
  • Densímetro
  • Termómetro
  • Balança
  • Sacos de musselina
  • Serpentina em cobre (ou um instrumentos para “mergulhar” a panela em banho-maria)
1º Passo
Na panela coloca-se cerca de 5 litros de água, juntam-se os maltes de especialidade, moidos, (caso a receita escolhida os contenha) dentro do saco de musselina.
 
2º Passo
Deixe a água, juntamente com os maltes, aquecer lentamente até aos 65.5ºC, mantenha esta temperatura durante 20 minutos.
 
3º Passo
Junta-se o extracto de malte e a água restante até completar o total da receita.Depois aproveita-se alguma desta água para lavar as latas do extracto.
 
4º Passo - Fervura
Começa-se de seguida a fervura. Consiste em aquecer o mosto até a temperatura de fervura, assim que se consiga uma fervura constante, deve-se adicionar o lúpulo e iniciar a contagem do tempo.

Minutos antes de se atingir o final desta etapa (normalmente dura 90 – 120 minutos), deve-se adicionar o aroma.
5º Passo - Arrefecimento
É nesta altura do processo que se deve arrefecer o mosto, recorremos a uma serpentina em cobre, para que o arrefecimento seja feito de uma forma “brusca”.

Assim que se atingir os 25º - 27ºC esta fase esta completa.
 
6º Passo – Fermentação
Antes de colocar o fermento, devemos arejar o mosto, recorrendo a uma bomba de ar com pedra difusora e filtro anti-bacteriano.

Com o mosto já no fermentador, juntamos o fermento e fechamos bem para que não haja fugas.

É frigorífico e já está (espera-se) pronta a ser consumida :)



Pesquisa personalizada