Pesquisar neste blogue

terça-feira, julho 31, 2012

História (que bom que era que alguns se lembrassem)

 Há pormenores no nosso passado que não devem, nem podem ser esquecidos e este texto é um deles. Para mim é uma das peças fundamentais da História Portuguesa e à qual devemos a quase totalidade da nossa vida:

Constituição Política da Monarquia Portuguesa aprovada em 23 de Setembro de 1822.
Obra dividida em seis títulos e 240 artigos, tendo por princípios fundamentais os seguintes:
  • a consagração dos direitos e deveres individuais de todos os cidadãos Portugueses (dando primazia aos direitos humanos, nomeadamente, a garantia da liberdade, da igualdade perante a lei, da segurança, e da propriedade);
  • a consagração da Nação (união de todos os Portugueses) como base da soberania nacional, a ser exercida pelos representantes da mesma legalmente eleitos - isto é, pelas Cortes, nas quais reside a soberania de facto e de jure, já que os seus elementos têm a legitimidade do voto dos cidadãos;
  • o não reconhecimento de qualquer prerrogativa ao clero e à nobreza;
  • a independência dos três poderes políticos separados (legislativo, executivo e judicial),
  • a existência de Cortes eleitas pela Nação, responsáveis pela actividade legislativa do país;
  • a supremacia do poder legislativo das Cortes sobre os demais poderes;
  • a emanação da autoridade régia a partir da Nação;
  • a existência, como forma de Governo, de uma Monarquia Constitucional com os poderes do Rei reduzidos;
  • a ausência de liberdade religiosa.
O poder legislativo passou a ser da competência das Cortes, assembleia unicameral que elaborava as leis, e cujos deputados eram eleitos de dois em dois anos pela Nação.

O poder executivo era exercido pelo Rei, competindo-lhe a chefia do Governo, a execução das leis e a nomeação e demissão dos funcionários do Estado. No entanto, o Rei tinha apenas veto suspensivo sobre as Cortes, podendo suspender a promulgação das leis de que discordava, mas sendo obrigado a promulgá-las desde que as Cortes assim o voltassem a deliberar. Não lhe era concedido o poder de suspender ou dissolver as Cortes.

Em ocasiões especiais, o Rei era aconselhado pelo Conselho de Estado, cujos membros eram eleitos pelas Cortes, e coadjuvado pelos secretários de Estado, directamente responsáveis pelos actos do Governo. Apesar de tudo, a sua pessoa era considerada inviolável.

O poder judicial pertencia, exclusivamente, aos juízes, que o exerciam nos Tribunais.
Quanto ao corpo eleitoral, e de acordo com o artigo 34.º da Constituição, podiam votar, para eleger os representantes da Nação (deputados), os varões maiores de 25 anos que soubessem ler e escrever.

Tratava-se, pois, de um sufrágio universal e directo, de que, no entanto, estavam excluídos as mulheres, os analfabetos, os frades e os criados de servir, entre outros.

terça-feira, julho 24, 2012

24h Kitchen

Se há canais que viciam, este é um deles.
Vinha para aqui falar de economia e do problema da contração do consumo privado, mas depois perdi-me e dei por mim a ver o último episódio do "Papa Quilómetros".

Passe a publicidade gratuita, acho que a FOX conseguiu antecipar algumas ideias que andavam pelo mercado dos media e conseguiu investir para arranjar um canal temático (mais um), com um potencial de crescimento exponencial. Tudo bem que é moda, mas julgo que é daquelas que veio para ficar e este canal pode muito bem ser um "trend maker".

Em todo o caso é um canal que dá muita fome!!!! :D

quinta-feira, julho 19, 2012

Medo do medo

"Ouve o que eu te digo,
vou-te contar um segredo
é muito lucrativo que o mundo tenha medo(...)"

Começa assim o mais recente single da Capicua (quem não sabe o que é vá à procura em http://optimusdiscos.pt/discos e aproveitem e vejam o que mais lá anda)...acho a letra muito bem conseguida e atual...aconselho vivamente a escuta:




segunda-feira, julho 09, 2012

Belo Monte, Anúncio de uma Guerra

Este é um documentário independente filmado ao longo de 3 expedições à região do rio Xingu, Altamira e arredores, São Paulo e Brasília. Apresenta imagens e fatos reveladores sobre a maior e mais polémica obra em andamento no Brasil.



Há uma expressão neste filme que me ficou na retina:
"(...)o Empreendedor capitaliza os lucros e socializa os prejuízos(...)" - considero que esta é a imagem das sociedades modernas e o que se define de modelo atual que liga o setor privado ao setor público!

quinta-feira, julho 05, 2012

Biba l scanchatismo


An jeito d'houmenaige al Mirandés, coloco eiqui estas pequeinhas palabras. San palabras singelas que serben solo para relembrar qu'eisiste ua 2ª léngua an território nacional i nun solo mais un dialeto. Mas rialmente amportante ye qu'an mirandés ye mui mais angraçado mandar l MacAllister prá merda i pró caralho i que se baia anchir de moscas, meter la focinheira ne l bino i cousas que tal. Aliás, dezir-le qu'el ye un badio de a pior spece i solo tá bien ye cula tromba chena de álcol, ten mui mais ampato assi, de l qu'an Pertués corriente!!!

Se percisáren de traduçon basta seguiren este link.

Até a la próssima
Pesquisa personalizada